quinta-feira, 10 de julho de 2014

VENERÁVEL TRONCO de Eugénio de Sá

Venerável tronco

Eugénio de Sá


Anos passaram, a vida mudou
E separados por outro maior querer
Fomos chegando ao nosso entardecer
Sem sabermos de nós, o que ficou.

Voltei hoje ao carvalho ancestral
E junto à profecia que eu talhara
Fora esculpido de uma forma rara
Um coração partido e original.

Porque a vista já me vai faltando
Acerquei-me do tronco venerável
E vi, perplexo, que ao nome adorável
Se acrescentara: te estarei esperando!

Uma lágrima rebelde me aflorou
À vista da verdade ali contida
Quando por mim roçou folha caída
Que, tristemente, a meus pés ficou.



 Sintra - Portugal - Julho 2014

Um comentário:

Maria Irene Marques disse...

Nostálgico, mas extremamente belo!