quarta-feira, 12 de setembro de 2012

O TEMPO PASSA de Susana Custódio



O TEMPO PASSA

Susana Custódio


Quando estou só, o tempo passa lentamente...
Os minutos, as horas, os dias! O tempo enfim...
Lentamente vai passando, passando lentamente...

O tempo passa lento por mim...
Quando estou só, terrivelmente só!
Os ponteiros do relógio giram fatigadamente.
No céu sobe tristemente o Sol,

E o tempo passa por mim lentamente!
Quando estamos juntos e oiço o murmurar da tua voz,
O tempo corre rapidamente!
Os ponteiros giram loucamente!

Quando estamos juntos o tempo corre veloz,
O Sol brilha esplendorosamente no céu.
Quando estamos juntos, os dois tão juntos
Como se os dois fossemos um só!

Sonho. O tempo pára! tu és meu!

Acordo. Vem a realidade e sei, quando estamos juntos,
O tempo corre tão rápido! Tão veloz...

Tu vais-te!
E, eu? Eu volto a ficar terrivelmente só!


Escrito em
1980
 
Sintra - Portugal - Setembro 2012
 
Pode ver em vídeo numa bela 
formatação do amigo Dorival Campanelle 
 

9 comentários:

Henrique Pedro disse...

Gostei particularmente deste poemas. Aplausos.

Maria Irene Marques disse...

Muito lindo,Susana!
Bela ilustração do que é, afinal, o tempo psicológico.

Virgínia Branco disse...

Lindo Poema este, Susana. "O Tempo Passa", é um registo poético dos verdadeiros ESTADOS D'ALMA, duma determinada época da vida. O AMOR, SEMPRE O AMOR....!
Parabéns, um beijinho Virgínia

Paulo Avila disse...

Susana, amiga querida, seu registro poético, sublima que o amor é amo e senhor do coração. Lindo! Parabéns!

SanCardoso disse...

Parabéns, Susana, pelo seu intenso e verdadeiro poema! beijos ternos,

ANTÓNIO BARROSO (TIAGO) disse...




O tempo voltou

António Barroso (Tiago)




O tempo está de volta, há já sinais
Trazidos nas brisas outonais,
Nos sussurros do arvoredo.

Começa a desfazer-se aquela solidão
Que provoca o pavor, o medo,

E até correm mais
Os ponteiros do relógio do salão,
Que o tempo está de volta, há já sinais.

Inda agora vi passar uma andorinha

A caminho dos beirais,
Trazia, no bico uma flor
Como aquela que foi oferta minha
Para enfeitares o cabelo, com amor.


O tempo está de volta, tudo são sinais.

Por fim, chegaste.
Não te pergunto porque abalaste
Sem, sequer, uma palavra de despedida.
Não importa mais.

Regressei à vida,

O tempo voltou, já não preciso de sinais.

Parede - Portugal (02/03/2014)

Anônimo disse...

Meus aplausos para sua inspiração mágica. bem visível neste verso breve e tão verdadeiro :
"Sonho. O tempo pára! tu és meu!"
Grande abraço , minha amiga
Vera

Unknown disse...

ESTE CANTINHO ESTÁ CADA VEZ MELHOR. OS POEMAS SÃO UM MAR DE EMOÇÕES. OS MEUS PARABÉNS PARA A POETISA QUE NOS DÁ MOMENTOS TÃO LINDOS COM A SUA POESIA. COM TODO O CARINHO DO HUMBERTO E MARGARIDA SOARES SANTA

Beki Bassan - Marcial Salaverry disse...


Susana como já te disse sou sua fã.
Amei seu lindo poema "O Amor Sempre o Amor"
Parabéns
Beijos,