sábado, 12 de janeiro de 2008

BEIJOS


BEIJOS


Se a pena que tenho na mão
Escrevesse o meu sentir…
Mas que ilusão!
Quantos anos perdidos em vão!
A esta inércia tu me votaste,
Fizeste de mim um ser doído!
Nem imaginaste!

Que os beijos que me não deste,
Levaram-nos os anjos ao céu azul celeste…
Para lá ir buscá-los, é longe…
E não consigo voar!
As asas do amor estão quebradas,
Não consigo sair do chão!
Dói-me a alma rasgada de ilusão,
A boca desfigurada de emoção!

Os beijos que me não deste,
São o sonho, o desespero, arrastados p’las ruas
Frias e nuas de amor ardente!

Os beijos que me não deste!
São dor! Dor na alma, no coração eivado…

Os beijos que me não deste
São como estrelas cadentes,
Que meus olhos olharam!
E na minha boca não poisaram…
São dor afiada,
Batendo a esta morada!
Despertando dores lancinantes,
No meu corpo de ninfa encantada!
Que num momento me leva ao fim de tudo,
E me lembra o limbo,

Dos beijos que me não deste!
Como o sofrimento
Da dor que não sei onde dói!...


Susana Custódio

Poema escrito em 1979



14 comentários:

HenryF disse...

O poema é de uma beleza atroz, mas também transcreve uma tristeza muito grande. É certo que este poema foi escrito em 1979 e no momento da sua transposição ao papel, o momento poderia não ser o mais apropriado para uma expressão mais romântica. Quantos de nós não tivemos já em toda a nossa vida, momentos menos bons que nos fizeram, transpor para o papel, toda a tristeza do nosso ESTADO DE ALMA. Quem disser o contrário, ou mente ou está só camuflando a verdade. Mas que o poema é belo, eu não posso dizer que não. Um dia cheio de Paz, Saúde e Amor. Henrique

Anônimo disse...

Grande poeta Susana
Belíssimo seu poema ! Parabéns !
abraços, Vera Mussi

Anônimo disse...

Amiga Susana, que maravilha de poema, recordo-me das vezes que lias os teus poemas! Beijinhos
Berta Sampaio

Maria Irene Marques disse...

Realmente,os poetas têm dons que não são comuns aos demais humanos.
O poema é tão lindo quanto sofrido, Susana!

António Zumaia disse...

Acredite minha boa amiga, este poema é dos mais belos e eloquentes que li na minha vida. Esquadrinha com beleza um espaço da sua vida bem doloroso, mas ao qual empresta a verdade da asa que já não voa, dos beijos que se ficaram no vazio de uma alma sedenta de amor. Parabéns poetisa cuja verve atinge tal arte. Isto é poesia.

Zumaia

Unknown disse...

Poeta querida, adoro ler a sua poesia. Beijos. Maria Luiza Bonini
São Paulo/Brasil

Antonio Valdir Cremasco disse...

Minha querida Amiga... É lindo, muito lindo seu Poema. Fiquei a imaginar lábios sedentos de beijos que jamais chegaram... Parabéns... Aceite, embora, fraternalmente, mil beijinhos meus.

Virgínia Branco disse...

Um belo poema que nos transmite a passagem de certo momento difícil.
Momentos menos bons quem os não teve? ou tem neste momento?!
Todos temos de suportar a parte mais cruel da vida.
Parabéns pelo poema. Um beijinho Virgínia Branco

SanCardoso disse...

Parabéns, Susana, pelo seu intenso e belo versejar! beijos ternos,

Unknown disse...

beleza,Susana,muito sentimento e inspiração
ernane

mário matta e silva disse...

Lindo este poema... gostei muito!!!

Luiz Gonzaga lauschner disse...

Querida Susana,

Tentei postar um comentário no seu blogo, mas exigem ter conta no google, que não tenho.

Me atrevo a comentar com uma trovinha:

A poesia está sempre presente
Mesmo quando as folhas caem
Quando um grande amor se vai
Ou quando o coração está doente.

Carinhoso e fraterno beijo (mesmo que não seja o ardente não-beijo do seu poema)

Beki Bassan - Marcial Salaverry disse...

Querida Susana,
Este poema "Beijos" saiu lá de dentro, mas como foi em 1979 já está superado e ficou um belo poema que muitas pessoas poderão se encontrar.
Com carinho,
Beki

Eliane Triska disse...


Querida Susana!

Adente dor é a da paixão.

Belo poema!

Bjos