sexta-feira, 28 de junho de 2013

AMOR DE VERÃO - Eugénio de Sá



Amor de verão

Eugénio de Sá

Lembro que à flor da água o seu cabelo
Divagava ao vaivém de cada onda
Envolvendo-lhe o rosto, qual Gioconda
Revelando-lhe os traços com desvelo

E ficavam-me os olhos deslumbrados
Perdidos na marmórea placidez
De um colo que descia em languidez
Escoltado por dois seios nacarados

E na visão salgada imaginava
Que essa Vênus que o mar acariciava
Retribuiria um dia aquele amor

Que em cada tarde ali mais me crescia
Perfumado de cheiros de maresia
Que o sol benzia, como seu mentor

Sintra – Portugal – Junho 2013

 
Tutorial de Mara Pontes
Top pirate queen
Versão de Vera Jarude
Tubes: Mara Ponte e Imagem Internet



  VER VÍDEO COM A BELISSIMA FORMATAÇÃO DO AMIGO DORIVAL CAMPANELLE



2 comentários:

Maria Irene Marques disse...

Belíssima poema!
Desta vez, o amigo Eugénio Brindou-nos com um lindo soneto onde celebra sobretudo o amor físico

Tiago (António Barroso) disse...

Ah! Amores de verão! Nascem com o calor, crescem com água da praia, frutificam nos momentos de lazer e esfumam-se com o aproximar da brisa fria.
Parabéns, amigo, pelo magnífico soneto.
Abraços do Tiago