segunda-feira, 11 de novembro de 2013

O TROVADOR AMANTE de Eugénio de Sá

Composição fotográfica de Susana Custódio




O trovador amante

Eugénio de Sá

Que terno é ver toucar-se o ameno estio
De mil pictóricos e florais encantos
Enquanto o fio de água que era um rio
Murmura amores castos, quase santos.

Que doce é ver um trovador amante
Cantando à sua amada, com ardor
Uma canção de amor meiga e vibrante
Debaixo de um ulmeiro acolhedor.

Sente o poeta que o espírito se eleva
- Do ser terreno percebe-se evadido -
E ali o nobre asceta enfim sossega

Embalado plos som que é possuído
É branda e é serena a sua entrega
Aquelas trovas que ouve enternecido.



Sintra - Portugal -2013

Também pode ver em vídeo na bela formatação do amigo Dorival Campanelle

3 comentários:

Maria Irene Marques disse...

Aqui temos de novo o Eugénio, o sujeito poético eternamente enamorado, desta vez platónico, fazendo-nos lembrar um pouco a lírica camoniana.

Myriam Jara disse...

Muito bonito, obrigado. Beijos

Zélia Chamusca disse...

O Grande Poeta Eugénio de Sá, além de grande trovador e um grande sonetista.

Parabéns Poeta!

ZCH