quarta-feira, 19 de março de 2014

A TUA ESSÊNCIA, um soneto de Eugénio de Sá

 Dia 19 de Março - Dia do Pai em Portugal



A tua essência

Eugénio de Sá

Faz tempo que me esperas no etéreo
Jovem partiste sem que tempo houvesse
Pra me ensinares aquilo que aprendeste
E que eu sei que usaste com critério

Mas tua essência guardei-a comigo
E com ela vivi todos estes anos
Com ela enfrentei deuses e tiranos
Com ela ganhei louros e castigos

E se hoje a vida me ensinou a amar
Mais que a ferir, magoar, ou inflingir
A ela devo o dom de perdoar

Só mais um pouco, pai, estou quase a ir
O tempo corre e eu vou-te encontrar
Junto do nosso Pai, noutro porvir


À memória de meu pai, Augusto Carlos Quinhones de Sá, falecido aos 33 anos de idade


Sintra - Portugal - 19 de Março 2014
 

3 comentários:

Mayte Dalianegra disse...

Hermoso soneto a la memoria del padre de Eugenio. El soneto es un ehermoso homenaje a la temprana pérdida de su prognitor.

Abrazos, Susana y Eugenio.

Anônimo disse...

Como foi jovem embora o teu pai!Bela lembrança com este poema lindo.Bjs.Malu

Virgínia Branco disse...

Este poema é uma linda homenagem
a um Pai que partiu cedo demais.
A Essência, essa perdurará através dos tempos.Ela se transmitirá aos descendentes através dos genes e dos belos Poemas do filho Poeta!Parabéns.
Virgínia Branco